Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

o que mais gostei

Na música e cinema em 2007.
(Pretendia, em ambos os casos, fazer uma lista de três escolhas, mas ficaram somente duas: foi muito fácil encontrar duas que se destacassem - e, para mim, destacaram-se folgadamente - e havia muitos pretendentes ao terceiro lugar do pódio. Vai daí, nada para ninguém - ficam somente as referências).


Música

Sound of Silver, LCD Soundsystem

James Murphy considera-se punk e diz que não gosta de música de dança. No entanto, a música que faz (também) é de dança. E até faz remisturas directamente para as pistas (a propósito, procurem uma remistura que fez de Young Folks, de Peter, Bjorn & John - sim, a dos assobios). Confuso? Não muito. Os LCD Soundsystem fazem o que os New Order fizerem nos anos 1980: um rock ao mesmo tempo ruídoso e melódico, com guitarradas junto a fortes batidas electro, com letras pop ora cor-de-rosa ora cinza escuro. O albúm que lançaram em 2007, Sound of Silver, é o mais belo conjunto de músicas ano: North American Scum, Someone Great, All My Friends (com aquele piano!...), New York, I Love You But You're Bringing Me Down, mostram o génio que James Murphy representa na música actual. Para comprovar (e dançar), aqui e aqui.


The Good the Bad and the Queen, The Good the Bad and the Queen

Quando acontece uma reunião de grandes músicos de diferentes bandas e influências, normalmente desconfio. Por regra, isto sucede em acções pontuais de beneficência, ou, mais frequente, significa que a inspiração já não é grande e estes músicos procuram sobreviver com os elevados créditos de cada um deles. O resultado, porém, é sempre inferior à soma das partes. Como diz uma amiga, o melhor é que parem e que constituam família.
Diferente é o projecto The Good the Bad and the Queen. A banda - um verdadeiro dream team -, é uma ideia original de Damon Albarn (Blur), e junta, além deste, Paul Simonon dos Clash, Simon Tong dos Verve e o “senhor afrobeat” Tony Allen. O resultado é um álbum denso, melódico, muito Pop mas pouco Britpop (quem procurar aqui o sinais dos Blur ou dos Gorillaz pode desistir). É um produto totalmente conceptual, narrativo (próximo de um livro?), que nos fala de uma Londres sombria, subterrânea, fumarenta, desumanizada e em guerra. O álbum apresenta-se como um conjunto de músicas que deve ser consumido como um todo e não se permite a escutas de faixas isoladamente (perde-se o “contexto”). Pode não dar para dançar, mas é do melhor para ouvir no carro. De longe, o mais original álbum do ano.
Ouvir aqui.

E mais:
Radiohead – In Rainbows
Arcade Fire – Neon Bible
The National - Boxer
The Shins - Wincing the Night Away
Animal Collective - Strawberry Jam
Interpol - Our Love to Admire

Cinema

The Flags of Our Fathers / As bandeiras dos nossos pais, de Clint Eastwod
Letters from Hiwo Jima/ Cartas de Hiwo Jima, de Clint Eastwod

Clint Eastwod é hoje uma pessoa central no cinema norte-americano. Tem uma já longuíssima e insuspeita carreira, enquanto actor e realizador, e é mesmo o último dos “grandes clássicos” de Hollywood. Enquanto realizador, assinou já trabalhos absolutamente brilhantes como Perfect World / Um mundo perfeito, Midnight in the Garden of Good and Evil / Meia noite no jardim do bem e do mal e Mystic River. Em 2007, e apesar da idade já avançada (ainda assim, um puto ao lado do “nosso” Oliveira), foi uma vez mais brilhante (na verdade, os filmes são já de 2006 mas só chegaram cá em 2007). E desta vez em dose dupla.
Eastwood propôs-se filmar a tomada norte-americana da ilha de Hiwo Jima ao Japão, durante a II GGM, em dois episódios para mostrar as duas perspectivas da guerra. Daqui resultaram duas obras absolutamente brilhantes. Flags of Our Fathers / As bandeiras dos nossos pais, o primeiro a estrear, conta a versão americana do combate a partir de uma fotografia dos militares a erguer a bandeira norte-americana na ilha e mostra como isso foi importante para a promoção da participação na Guerra (lembremo-nos da série Why we fight, de Frank Capra). O segundo episódio é Letters from Hiwo Jima/ Cartas de Hiwo Jima e baseia-se nas notas deixadas pelo comandante das tropas japonesas nesse combate. Este filme é, desde o início, uma comovente descrição dos sentimentos dos vencidos (e que o perceberam claramente desde o início), muito sério e que foge aos lugares comuns que, de algum modo, poderia cair.
Se é verdade que neste duplo projecto Clint Eastwood contou com toda a máquina de Hollywood (e trabalhou com pessoas como Spilberg na produção e Paul Haggis no argumento) devemos reconhecer - se dúvidas houvessem - que estamos perante um enorme realizador. Eastwood filma com a mesma qualidade com que o Dirty Harry dava porrada. Soberbo.

E mais:
Promessas Perigosas, de David Cronenberg
Zodiac, de David Fincher
À Prova de Morte, Quentin Tarantino
Control, de Anton Corbijn

Agora resta aguardar as novidades de 2008. Para já, expectativa máxima de novo para os Radiohead e, no cinema, para o regresso do Francis Ford Coppola (parece que é desta) e de Paul Thomas Anderson (que desta vez nos traz também Daniel Day-Lewis). Promete!
radiomafia às 23:33
link do post | comentar
3 comentários:
De purita a 3 de Janeiro de 2008 às 19:55
só vi aí os side b dos filmes... :)
De JS a 4 de Janeiro de 2008 às 12:58
Boa lista! eu acrescentaria mais o David Lynch.
De ivan. a 4 de Janeiro de 2008 às 15:13
o dos LCD tá muito bom, mas não é melhor que o primeiro.

já o dos The National, partiu tudo.

tirando algumas oscilações entre primeiros e terceiros, tá tudo como na minha lista! eheheheh.

comentar

mais sobre mim

Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

pesquisar

posts recentes

Polanski

fun is back

Fantas

não voltará a acontecer

there will be blood

sex out of the city

championship manager

Dakar

UFO

mozilla

arquivos

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

links

Add to Technorati Favorites
blogs SAPO

subscrever feeds